Boettner – A Inspiração das Escrituras

$2.50

Boettner – A Inspiração das Escrituras é um trabalho de seis capítulos que examina a natureza, a inspiração, afirmam os escritores, a influência pela qual eles trabalharam, alegados erros nas Escrituras, a confiabilidade da Bíblia e a inspiração plenária da Bíblia.

SKU: BoettnerBRAInspiraçãodasEscrituras Categoria:

Descrição

A Inspiração das Escrituras

de Loraine Boettner

Boettner – A Inspiração das Escrituras é um trabalho de seis capítulos que examina a natureza, a inspiração, afirmam os escritores, a influência pela qual eles trabalharam, alegados erros nas Escrituras, a confiabilidade da Bíblia e a inspiração plenária da Bíblia.

A Inspiração das Escrituras

de Loraine Boettner

Índice A Inspiração das Escrituras

Parte I: A Natureza da Inspiração das Escrituras
Parte II: Os escritores reivindicam inspiração
Parte III: A influência pela qual a inspiração é realizada
Parte IV: Os supostos erros nas escrituras
Parte V: A Confiabilidade da Bíblia
Parte VI: A Inspiração Plenária da Bíblia

Reformado por David Cox (c) 2007, 2019
[email protected]
Criado na palavra
2019 Reformatado para a Palavra por David Cox
2019 Traduzido por David Cox

Exemplo de capítulo da Inspiração das Escrituras
3. A natureza da influência pela qual a inspiração é realizada

As igrejas cristãs evangélicas nunca sustentaram o que foi estigmatizado a teoria “mecânica” da inspiração, apesar das acusações muitas vezes feitas em contrário. Em vez de reduzir os escritores das Escrituras ao nível de máquinas ou máquinas de escrever, insistimos que, enquanto eles escreviam ou falavam enquanto eram movidos pelo Espírito Santo, eles continuavam pensando, seres dispostos e autoconscientes, cujos estilos e maneirismos peculiares são. claramente rastreável em seus escritos. Se a língua nativa deles era o hebraico, eles escreveram hebraico; se era grego, eles escreveram grego; se foram educados, escreveram como homens de cultura; se não educados, eles escreveram como esses homens escreveriam. Não separamos os elementos divinos e humanos, mas insistimos em que os dois estejam unidos em perfeita harmonia, para que cada palavra da Escritura seja ao mesmo tempo a palavra de Deus e também a palavra do homem. Os próprios escritores deixam claro que nesse processo a influência divina é primária e a humana secundária, de modo que não são tanto os autores, mas os receptores e anunciadores dessas mensagens. Portanto, o que eles escreveram ou falaram não era para ser encarado apenas como seu próprio produto, mas como a pura Palavra de Deus, e por esse motivo era para ser recebido e obedecido implicitamente.

O fato de podermos rastrear tão facilmente o estilo peculiar ou a maneira de expressão através dos escritos de Paulo, João ou Moisés mostra que as Escrituras foram dadas de uma maneira que permitia personalidades humanas. Se não fosse assim, as Escrituras seriam reduzidas a um nível morto de monotonia, e teríamos de fato uma teoria mecânica de inspiração na qual os escritores eram pouco mais que autômatos. Está na própria idéia de inspiração que Deus usaria os agentes que Ele emprega de acordo com suas naturezas individuais. Um tipo de homem seria escolhido para escrever história, outro tipo para escrever poesia e ainda outro tipo para estabelecer doutrinas, embora essas funções possam se sobrepor em alguns escritores. E lembrando disso, devemos lembrar que, durante toda a vida do profeta, o controle providencial de Deus o havia preparado com os talentos, a educação e a experiência que seriam necessários para a mensagem que ele deveria transmitir. Essa preparação providencial dos profetas, que lhes deu a devida formação espiritual, intelectual e física, deve, de fato, ter começado em seus remotos ancestrais. O resultado foi que os homens certos foram trazidos para os lugares certos, nos momentos certos, e escreveram os livros específicos ou deram as mensagens específicas que foram projetadas para eles. Quando Deus quis dar a Seu povo uma história de seus primórdios, preparou um Moisés para escrevê-lo. Quando quis dar a eles a poesia elevada e adoradora dos salmos, preparou um Davi com imaginação poética. E como o cristianismo, em sua própria natureza, exigiria afirmações lógicas, Ele preparou um Paulo, dando-lhe uma mente lógica e os antecedentes religiosos apropriados que lhe permitiriam expô-la dessa maneira. Dessa maneira natural, Deus preparou os vários escritores da Escritura que, com a assistência apropriada de Seu Espírito direcionador e iluminador, escreveram livre e espontaneamente o que Ele desejava, como e quando desejava. Assim, o profeta foi adaptado à mensagem, e a mensagem foi adequada ao profeta. Assim, também foi preservado o estilo literário distinto de cada escritor, e cada escritor fez uma obra que ninguém mais estava preparado para fazer.

Em algumas ocasiões, a inspiração era pouco ou nada além de um processo de ditado. End falou e o homem registrou as palavras: Gênesis 22: 15-18; Êxodo 20: 1-17; Isaías 43: 1-28, etc. Em outras ocasiões, os escritores funcionavam como pensadores e compositores, com toda a sua energia nativa entrando em ação enquanto deliberavam, recordavam e derramavam seus corações a Deus, o Espírito Santo exercendo apenas uma super visão geral o que os levou a escrever o que era necessário e a manter seus escritos livres de erros, por exemplo, Lucas 1: 1-4; Romanos 1: 1-32; Efésios 1: 1-23, etc. Ao narrar fatos históricos simples e ao copiar listas de nomes ou números de fontes confiáveis, essa superintendência estava em uma mini mãe. Talvez em alguns casos eles nem tivessem consciência da influência direta do Espírito, como escreveram.

De maneira geral, porém, podemos dizer que as palavras dos profetas expressam não apenas algo que foi pensado, inferido, esperado ou temido por eles, mas algo transmitido a eles – às vezes uma mensagem indesejável imposta a eles pelo Espírito revelador. Eles naturalmente se encolheram de dar mensagens que predisseram destruição para o povo ou para a nação. No entanto, eles não tiveram a liberdade de dizer mais ou menos do que aquilo que lhes fora dado, pois quem é encarregado de receber uma mensagem do rei não tem a liberdade de omitir ou alterar qualquer parte dela, mas deve divulgá-la da mesma maneira que ele recebeu. Isaías, por exemplo, imediatamente após sua visão gloriosa e nomeação oficial, foi enviado com uma mensagem indesejável aos homens de seu país, e foi informado antes de que o povo não ouviria que o efeito de sua pregação seria uma rebelião e um endurecimento adicionais. dos seus corações. No entanto, ele não foi capaz de mudar a mensagem, mas apenas pôde perguntar: “Senhor, quanto tempo?” (Isaías 6: 9-13). Ezequiel como sábio foi enviado a um povo rebelde e foi dito que eles não ouviriam (Ezequiel 3: 4-11). Mas, se eles ouviriam ou se tolerariam, saberiam que um profeta do Senhor estava entre eles. (Ezequiel 2: 5). Por mais que o profeta gostaria de falar o contrário, ele só podia dar a mensagem que lhe fora dada. Se o povo não prestasse atenção ao aviso, a responsabilidade dependia de si mesmos (Ezequiel 33: 1-ll). A objetividade da mensagem é ainda demonstrada pelo fato de que, às vezes, os próprios profetas não entenderam as revelações que foram dadas por eles (Daniel 12: 8, 9; Apocalipse 5: 1-4).

Tampouco a obra do Espírito Santo em inspiração deve ser considerada mais misteriosa do que Sua obra nas esferas da graça e providência. O primeiro exercício de fé salvadora na alma regenerada, por exemplo, é ao mesmo tempo uma obra induzida pelo Espírito Santo e um ato livremente escolhido pela pessoa. E por toda a Bíblia as leis da natureza, o curso da história e as diversas fortunas dos indivíduos são sempre atribuídas ao controle providencial de Deus. “Jeová tem o seu caminho no turbilhão e na tempestade, e as nuvens são o pó dos seus pés”, Naum 1: 3. “Ele faz nascer o seu sol sobre os maus e os bons, e faz chover sobre justos e injustos”, Mateus 5:45. “O Altíssimo governa no reino dos homens, e o dá a quem quiser, e estabelece sobre ele o mais baixo dos homens”, Daniel 4:17. “É Deus quem trabalha em você para querer e trabalhar, para Seu bom prazer”, Filipenses 2:13. “O coração do rei está nas mãos de Jeová como os cursos de água: ele o transforma para onde quiser”, Provérbios 21: 1.

A inspiração deve ter sido um pouco como o toque do motorista nas rédeas dos cavalos de corrida. A preservação dos estilos e maneirismos individuais indica isso. Sob esse controle providencial, os profetas eram tão governados que, embora sua humanidade não fosse substituída, suas palavras ao povo eram palavras de Deus e foram aceitas como tal pela Igreja em todas as épocas.

O fato de os escritores das Escrituras frequentemente usarem outros documentos ou fontes na composição de seus livros é aparente até para o leitor casual. Por exemplo, o trigésimo sétimo capítulo de Isaías e o décimo nono capítulo de 2 Reis são exatamente iguais. Portanto, Isaías e o escritor de 2 Reis devem ter tido acesso aos mesmos materiais de origem. Muitos dos relatos nos diferentes evangelhos são contados em linguagem quase idêntica. Se for definitivamente provado, por exemplo, que o Pentateuco consiste em diferentes partes que, por sua vez, se baseiam em documentos mais antigos, nossa doutrina de inspiração pode aceitar essa visão. Ao lidar com dados históricos ou legais, especialmente os escritores das Escrituras podem ter usado fontes tão naturalmente quanto os escritores atuais, com esta diferença: que o Espírito Santo supervisionava sua obra de tal maneira que selecionavam apenas o material que Deus queria dado ao povo, e expôs esse material de forma a ficar livre de erros. Não estamos muito preocupados com o método pelo qual eles escreveram, mas sim com o valor e a autoridade de seu produto final. Quanto mais natural e menos mecanicamente essa escrita ocorresse, melhor.

Não é de se esperar que devemos dar uma explicação completa de como os agentes divinos e humanos cooperaram na produção das Escrituras. Basta dizer que, na maioria dos casos, era algo muito mais íntimo do que é conhecido como “ditado”. O problema conosco é que muitas vezes buscamos explicações completas para aquelas coisas que em seus aspectos mais profundos só deveriam ser adoradas como mistérios, como a Trindade, a expiação, a relação entre o soberano de Deus e a liberdade do homem, e a inspiração das Escrituras. O modernista, com sua base naturalista, resolve facilmente esses problemas ignorando o Divino, mas não sabe o quão superficial ele é. Os evangélicos realmente se depararam com esses problemas. Eles reconheceram os elementos Divino e humano e trouxeram uma solução parcial, confessando que a mente humana não pode compreender completamente as coisas profundas de Deus.

Naturalmente, não se deve presumir que a inspiração tornasse os profetas oniscientes. Sua inspiração se estendia apenas ao conteúdo das mensagens particulares que foram dadas através deles. Em questões de ciência, filosofia ou história que estavam fora de seu objetivo imediato, elas se mantinham no mesmo nível de seus contemporâneos. Eles foram preservados do erro ao falar a mensagem do Senhor, mas a inspiração em si mesma não os tornou astrônomos ou químicos, nem os agricultores. Muitos deles podem ter acreditado com seus contemporâneos que o sol se movia ao redor da terra, mas em nenhum lugar de seus escritos eles ensinam isso. Paulo não podia errar em seus ensinamentos, embora não se lembrasse de quantas pessoas ele havia batizado em Corinto (1 Coríntios 1:16). Já observamos que Daniel e João não entendiam completamente todas as revelações dadas por eles. Isaac, sem querer, pronunciou a bênção profética sobre Jacó, em vez de seu filho favorito, Esaú, e, quando mais tarde descobriu que havia sido enganado, era totalmente incapaz de alterá-la. quando Moisés registrou a promessa de que Abraão seria o pai de muitas nações, ele pouco percebeu que, na era posterior, todos os cristãos gentios deveriam ser incluídos nessa promessa e que eventualmente abraçaria o mundo inteiro (Gálatas 3:29 ; Efésios 2:13, 14; Romanos 4:13; Atos 13:17).

A doutrina da inspiração também não implica que os escritores estivessem livres de erros em sua conduta pessoal. Moisés escreveu volumosamente sobre a história primitiva de Israel e é geralmente considerado o maior dos profetas do Antigo Testamento; contudo, nas águas de Meribá, ele tomou para si a glória que pertencia apenas a Jeová, e por esse crime ele não teve permissão para entrar na terra prometida (Números 20: 7-13). Balaão falou certas grandes verdades, e Saul estava entre os profetas. Pedro também era infalível como porta-voz do Senhor, e, no entanto, em pelo menos uma ocasião, ele cometeu um grave erro em sua conduta pessoal, e era necessário que Paulo resistisse a ele de frente, pois estava condenado (Gálatas 2: 11- 14)

Além disso, achamos que a inspiração era flexível o suficiente para permitir alguns assuntos pessoais, como quando Paulo pediu a Timóteo que fosse até ele em breve e trouxesse seu casaco e alguns livros que ele havia deixado em Troas (2 Timóteo 4:13). Inclui conselhos pessoais em relação à saúde de Timóteo, 1 Timóteo 5:23), e preocupação pessoal com o tratamento concedido ao escravo Onésimo, retornado (Filêmon 1: 10-16).

Portanto, vemos que a doutrina cristã da inspiração não é o processo mecânico sem vida que os críticos hostis muitas vezes a representam. Em vez disso, ele põe em ação toda a personalidade do profeta, dando total destaque ao seu próprio estilo literário e maneirismos, levando em consideração a preparação dada ao profeta para que ele possa transmitir um tipo específico de mensagem e permitindo o uso de outros documentos ou fontes de informação, conforme necessário. Se esses fatos fossem mantidos em mente mais claramente, a doutrina da inspiração não seria tão sumariamente deixada de lado nem tão irracionalmente atacada por estudiosos cautelosos e reverentes.

Author: Pastor David Cox

Deixe um comentário